Profissões do futuro

A sociedade tem vivido uma grande transformação, que percebemos a partir das metamorfoses que derivam do contexto do trabalho.



O conhecimento sempre foi essencial para o desenvolvimento das sociedades. Isso não significa, no entanto, que seu lugar, características e dinâmica sejam exatamente os mesmos ao longo da história da humanidade. Há não mais do que trinta anos o conhecimento começou a sofrer drásticas mudanças, tanto em sua composição como em sua geração, combinação e difusão. Atualmente, o conhecimento transformou-se no sistema nervoso central do desenvolvimento social e político em todos os cantos do mundo. As relações entre conhecimento e inovação têm nas empresas seu mais importante ponto de apoio e sustentação, no desempenho das atividades geradoras de mudança tecnológica.


Procuramos apreender o contexto das necessidades que geram certas profissões, como imprescindíveis, mas que no momento seguinte as excluem, tornando-as desnecessárias. Nesse movimento para a substituição de uma profissão, percebemos o impacto das inovações tecnológicas que moldam e redefinem o mercado de trabalho.


Diversas profissões com conteúdos inovadores estão sendo criadas, visando acompanhar o ritmo das mudanças das inovações tecnológicas, organizacionais e de mercado impulsionando profundas transformações no mundo econômico.


As estruturas nas relações de trabalho também têm sido observadas, com constantes modificações, como consequência, o empreendedorismo tem sido uma das alternativas para a geração de emprego e renda.


As inovações começaram!


E para iniciarmos a falar sobre essas mudanças,vamos começar pelo caminho Educacional, o que nos leva a árdua tarefa de melhorar nosso Sistema de Educação, dinâmico e complexo, exigindo atuação em múltiplas dimensões e decisões fundamentadas, seguras e criativas. Com isso o MEC tem priorizado, ao formular políticas para a educação, aquelas que agregam às melhorias institucionais o incremento na qualidade da formação do aluno.


Estamos vivendo um processo de rápidas transformações nas formas de ser, viver, relacionar-se, principalmente com os grandes avanços nos meios de comunicação e da tecnologia.Sendo quase impossível planejar e definir com antecedência o que deve ser aprendido e que competências são necessárias para habitar esse “mundo novo”. Porém, quando falamos em Educação, podemos apontar algumas necessidades: Atualizar fontes de informações e desenvolver novos talentos/competências em todas as áreas, impedindo que as defasagens aumentem; Desenvolver atitudes e valores para a convivência com autonomia e cooperação; Desenvolver novas habilidades para uma mesma profissão cujas atividades variam e se transformam rapidamente; Desenvolver competências que permitam também mudanças de uma profissão para outras emergentes, no curso da vida.


Habilidades para as profissões do futuro

(Apenas o curso basta?)


Escolha um emprego. Escolha uma carreira. Escolha um ramo de atuação e um rumo pra vida. Escolha uma boa universidade, uma especialização, mas esteja preparado: você terá de rever suas escolhas.


Nos Estados Unidos, a consultoria Mckinsey identificou que 85% delas exigiam que o candidato soubesse resolver problemas complexos, que requerem mais de uma área de conhecimento. O relatório O Futuro das Competências no Trabalho em 2020, do Institute for the Future, reforça a tendência. “Muitos dos problemas de hoje são complexos demais para serem resolvidos por uma disciplina específica. Requerem soluções transdisciplinares”, diz o documento. Ser apto a uma abordagem transdisciplinar significa dominar profundamente um ramo do conhecimento, mas, ao mesmo tempo, conseguir “falar a língua” de outros.


Se no século 20 foi exigido mais especialização, o futuro vai pedir mais interação com outras áreas. É por isso que bioinformática, biologia molecular e arquitetura digital são vistas como áreas em expansão. No entanto não bastará somente mais aplicar corretamente o conhecimento aprendido na faculdade, o desenvolvimento de novas habilidades é cada vez mais exigido, devido às demandas da nova era tecnológica, o seu saber criativo e científico torna-se um diferencial nas profissões que ainda vão surgir.


Hoje em dia temos que estar preparados para nos adaptarmos facilmente as constantes transformações do mercado, derivadas dos avanços tecnológicos. É necessário criar um contato com outras áreas do conhecimento, durante toda a carreira, não apenas na faculdade, além de estarmos na era da informação, onde a interação é constante, o que hoje é notícia amanhã já não é mais, por isso lidar com com esse excesso de informações, requer uma atenção para tudo que ocorre no mundo, onde não devemos nos prender apenas na nossa área de formação, pois a profissões futuras vão exigir além de formação acadêmica, suas habilidades adquiridas ao longo do tempo.


A tendência afeta diferentes áreas, do técnico de futebol do Corinthians, que recebe relatórios de estatísticas sobre o desempenho e o desgaste físico de seus jogadores após cada jogo, aos policiais de Santa Cruz, na Califórnia, que todos os dias ganham listas com as probabilidades de vários crimes ocorrerem em diferentes regiões da cidade. “A capacidade de interpretar dados corretamente e extrair desse volume gigantesco de informações estratégias e iniciativas criativas será fundamental para o sucesso”, afirma Erik Brynjolfsson, professor da MIT Sloan School of Management.

Cientistas de dados propriamente ditos, é claro, também serão cada vez mais requisitados. São eles que vão criar algoritmos ajudando a interpretar as massas de informação, seja para extrair sentido de bilhões de bases do genoma de uma pessoa, seja para analisar transações de cartão de crédito, dentre outros.


Os cientistas de dados são também os responsáveis por outra grande transformação: levar a automação de tarefas a um nível sem precedentes. As máquinas já conseguem, por exemplo, escrever uma notícia automaticamente ao se conectar aos dados da bolsa.Além de redigir notícias de economia e de esportes, o serviço também pode criar análises financeiras para grandes empresas. “O que chamamos hoje de auditoria na contabilidade pode feito automaticamente por sistemas inteligentes analisando transações em tempo real”, diz Rohit Talwar, CEO da companhia de pesquisas Fast Future, que assessora o governo britânico em futurologia.

O fato de as máquinas cuidarem, cada vez mais, dos processos de rotina que hoje nos tomam muito tempo, “criará uma demanda por mais relações interpessoais”, diz o futurólogo britânico Ian Pearson, autor do livro You Tomorrow. “O trabalho ficará mais humanizado.” O que sobrará para nós será exatamente o que as máquinas ainda não podem fazer, atividades que requerem empatia e sociabilidade. De acordo com o economista Richard Freeman, professor da Universidade de Harvard, isso já está em curso. “As vagas de trabalho estão migrando rapidamente. Há menos emprego para funcionários que executam tarefas repetitivas.”


Você mais social!


O novo ecossistema de comunicação possibilita e estimula o trabalho colaborativo, que reúne profissionais com talentos diferentes de quaisquer pontos do planeta para solucionar problemas complexos. Vários estudos recentes mostram que os grupos mais inovadores e inteligentes são normalmente constituídos de pessoas de diferentes idades, habilidades, formações e estilos de pensar e agir. Ou seja, quanto mais diferente, melhor. Numa dessas pesquisas, Scott E. Page, diretor do Centro para Estudo de Sistemas Complexos da Universidade de Michigan, escreve que o desempenho de grupos de trabalho para resolver problemas “é tão influenciado pelas diferenças coletivas dentro do grupo quanto pelo QI individual de cada um dos participantes”.


Para além de mudanças pontuais em mercados, especialistas dizem que as transformações no trabalho continuarão rápidas. “A própria definição sobre o que é trabalho já é muito diferente de 20 anos atrás. A humanidade mudou muito, numa velocidade estonteante”, afirma o psicólogo Edward E. Gordon, consultor de várias das maiores empresas do mundo e autor do recém-lançado livro Future Jobs (Trabalhos do futuro). “A vida profissional do século 21,favorece a inteligência, criatividade e iniciativa. Mas não sendo nem um pouco estável.”



Profissões prováveis de se desenvolver no futuro


As tendências e forças que podem ser identificadas hoje moldarão os trabalhos do futuro.


Globalização, envelhecimento da população e tendências sociais, tecnológicas e nos negócios criarão oportunidades para diversas profissões, com nomes que muitas vezes ainda não existem atualmente (Challenger, 2005; Paterson, 2002).


A mudança nos mercados de trabalho, vista a partir de uma perspectiva global tem sido conduzida por forças poderosas e interconectadas: rápidos avanços e inovações tecnológicas, organizacionais e de mercado e a sua difusão mundial, o aumento do comércio e dos investimentos diretos no exterior, a intensificação da concorrência nos mercados internacionais e, mais recentemente, as alterações climáticas e a necessidade urgente de melhorar a gestão da energia e dos resíduos. Juntas, essas forças têm o potencial de desencadear transformações importantes nos sistemas econômicos em todas as regiões do mundo.



Fonte: Revista Galileu


Quinze profissões do futuro!


1- Especialista em inteligência artificial

Taxa de crescimento anual: 74%

O que faz? Esse profissional analisa áreas em que faz sentido implementar ou criar sistemas inteligentes. Mexe diretamente com o chamado machine learning, ou seja, ferramenta utilizada para ensinar as máquinas a simularem os processos de decisão do cérebro humano.


2- Engenheiro de robótica

Taxa de crescimento anual: 40%

O que faz? A Engenharia Robótica é responsável pelo design, desenvolvimento, operação e programação de robôs. Por meio dela, acrescentam-se elementos cognitivos nos sistemas industriais.


3- Cientista de dados

Taxa de crescimento anual: 37%

O que faz? Esse tipo de cientista é capacitado para reunir, interpretar e aplicar de forma simplificada informações relevantes contidas em enormes bancos de dados de empresas e governos. Na era do big data são considerados uma mina de ouro.


4- Engenheiro Full Stack

Taxa de crescimento anual: 35%

O que faz? Um engenheiro Full Stack tem a capacidade de entregar um projeto completo dentro de sua área de atuação. Ele vai do Front-end ao Back-end, recebendo, entendendo, desenvolvendo e finalizando o projeto. Pode-se dizer que ele é o “canivete suíço” da empresa.


5- Especialista em sucesso do cliente

Taxa de crescimento anual: 34%

O que faz? O Especialista em sucesso do cliente é responsável por garantir que as interações entre a sua empresa e o seu cliente gerem os resultados desejados por ele. Por isso, as empresas têm investido em profissionais capacitados para criar maneiras de entregar não só um bom serviço ou produto, mas também em garantir experiências de qualidade.


6- Engenheiro de dados

Taxa de crescimento anual: 33%

O que faz? Esse engenheiro é responsável por encontrar tendências nos conjuntos de dados e desenvolver algoritmos para ajudar a tornar os dados brutos informações úteis para a empresa. É uma profissão que requer habilidades técnicas específicas, como conhecimento profundo do design do banco de dados SQL e de várias linguagens de programação.


7- Técnico de saúde comportamental

Taxa de crescimento anual: 33%

O que faz? O técnico de saúde comportamental analisa o comportamento de forma aplicada, reconhecendo transtornos comportamentais e mentais.


8- Especialista em segurança cibernética

Taxa de crescimento anual: 30%

O que faz? Esse profissional cuida da segurança cibernética, de informação, de rede e avaliação possibilidades de vulnerabilidades no sistema, garantindo a segurança da informação.


9- Desenvolvedor de back-end

Taxa de crescimento anual: 30%

O que faz? O Desenvolvedor Back-end é o responsável por dinamizar os sites utilizando linguagens de programação, além de organizar todas as informações invisíveis aos olhos do usuário.


10- Diretor de receita

Taxa de crescimento anual: 28%

O que faz? Faz parcerias estratégicas, a gestão da receita da empresa, traça estratégias de entrada no mercado e gerenciamento executivo.


11- Engenheiro de nuvem

Taxa de crescimento anual: 27%

O que faz? É o profissional responsável por analisar sistemas, identificar problemas, avaliar dados e conceber soluções para problemas relacionados à computação em nuvem.


12- Desenvolvedor Javascript

Taxa de crescimento anual: 25%

O que faz? Esse tipo de desenvolvedor desenvolve e implanta sistemas em Javascript realizando correções em sistemas para atender às necessidades dos usuários. Desenvolve também trabalhos de montagem, depuração e testes de programas já desenvolvidos.


13-Product owner

Taxa de crescimento anual: 24%

O que faz? Cabe a ele guiar o projeto de um produto do começo ao fim, desde o papel, transformando-o em um produto prático, que pode ser vendido, negociado, trazendo lucro para a empresa.


14-Representante de desenvolvimento de vendas

Taxa de crescimento anual: 34%

O que faz? O representante faz o primeiro contato com os possíveis clientes que chegam à base da empresa. Sua organização promove campanhas de marketing ou ações nas redes sociais, por exemplo, e uma base de leads é gerada, com contatos registrados na sua ferramenta de automação de marketing ou CRM (Customer Relationship Management).


15- Engenheiro de confiabilidade do local

Taxa de crescimento anual: 34%

O que faz? Esse profissional avalia e otimiza a confiabilidade de sistemas através de técnicas oriundas da probabilidade e estatística. A confiabilidade é uma medida de desempenho importante em setores como indústrias de petróleo e gás, nucleares, de processo, química, energia, telecomunicações e tecnologia de informação e etc.


Então, qual dessas novas profissões você já tinha ouvido falar?


------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Gostou desse conteúdo e quer receber mais? Então, cadastre-se aqui para não perder nenhuma novidade do TEC! Siga-nos no Instagram e Facebook também!


0 visualização

Siga a nossa hashtag #issoétec

Tunel Lab Academy Educação Consultoria e Comercio de Livros

Rua Conde de Baependi, nº 106 - Laranjeiras - Rio de Janeiro - RJ

CNPJ  24.199.352/0001-86

falecomotec@teceducacao.com.br

© 2019 criado por TEC ( Tecnologias e Experiências Criativas )